"" A Poesia quando chega ...""

Minha foto
Vitória, Espirito Santo, Brazil
""Eu vivo em carne viva, por isso procuro tanto dar pele grossa a meus personagens. Só que não agüento e faço-os chorar à toa.(...) Ser cotidiano é um vício. O que é que eu sou? sou um pensamento. Tenho em mim o sopro? tenho? mas quem é esse que tem? quem é que fala por mim? tenho um corpo e um espírito? eu sou um eu? "É exatamente isto, você é um eu", responde-me o mundo terrivelmente. E fico horrorizado"". ("Um Sopro de Vida" , Clarisce Lispector)

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Eu bebo o tempo


Eu me cansei
cansei desta vida, do meio e do fim
Abri a janela da cobertura e saltei num mergulho sem volta
estou em um lugar onde eu não caibo
Não há lugar dentro de mim onde eu possa ter descanço
Descobri o significado utópico da palavra paz
Abri o limite do asfalto frio e desci mais um pouco
me infiltrei nos esgotos sujos e sombrios do meu eu-lírico
Arrotei palavras infames: justiça, calmaria,compreensão
Bebi do nojo que é o tempo, envelheci
E não podendo ir mais fundo que os homens preveem
inventei a válvula de escape
flutuei até o inferno dos homens que não creem em  imagens
abracei tantos tolos que assim como eu beberão o tempo
Lá não tinha paz, nem justiça,nem calma e tão pouco compreensão
Comi meus erros e saboreei minhas memórias numa calda de manjar
Porque bebi o tempo como se fosse um último e saboroso Martine rosê
rompi o desejo  de me acalentar.

Fabricia Dias/ 01/05/2010

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Dieymes Pechincha. diz:















É Bobagem?
Medo não é o obstáculo
Obstáculo é a mentalidade fechada
Vencida por cansaço ou fraqueza
Que seja fraca!
Mas não nos abandone
Não a nós, que bebemos e comemos do mesmo pão...
Dividimos dos mesmos desconfortos
Já esqueceu que você também é soldado?
Independente de estar em campo ou não
Fora de campo você assiste os seus amigos
“Lutarem em vão”
É bobagem?
É idiotice?
Já pensou que são os seus?
Ali se expondo
Sujeitos a pedras, tomates e cuspe na cara.
E você sorri, e diz que não é com você!
É repugnante o seu olhar.
Dá-me nojo...
Mas não deixei de amar você
Ainda lutamos por nós
Mesmo sem teu apoio
Uma pena!
Tenho pena dos homens que perderam os sentidos.
Olham e não reagem...
E depois dizem em salas, quartos, e bares...
“Eu te amo”


domingo, 25 de abril de 2010

MENINOS SÃO JOSÉ de Eliza Lucinda

MENINOS SÃO JOSÉ


Toda criança me arrebata,
toda criança, por me olhar,
me arregaça as mangas do amor
e dele, desse amor,
morro de emoção.

Há nisso mais do que o fato
de criança ser igual flor,
mais do que criança ser da vida
a metáfora das coisas
e seu verdadeiro valor.

Vejo José pousando sobre a casa
as asas dele mudam o episódio lar.
Abraço o José em todo riso
e mesmo quando não o tenho no
colo todo o tempo...
evento de criança soprando a casa!

Eu fico com as pernas bambas
quando quem me aponta é uma criança.
José é Júlia, também Carolina, também Pedro, também Clara,
também Olívia, também Antônio, também Valentina, também Lina,
também João,também Luíza, também Nicolau, também Juliano,
Guilherme, Diogo, Jonas, Mayara, Vinícius, Leon, Natassia,
José é todas as galáxias de meninos,
porque são só verdades,
belas verdades,
límpidas eternidades,
futuros mundos.

Belas!
Tenho vontade de defendê-las
das injustiças dos ditos maiores,
dos esticados que,
aprisionados,
querem aprisionar.

Por todo o sempre e agora,
toda criança quando chora,
respondo- que foi?
Quem não te tratou direito?
(Toda criança quando chora
acho que me diz respeito.)

Quero as palavras delas,
a nitidez sublime das conversas
delirantes e sábias,
quero os descobrimentos que trazem
em sua transparência natural!

José voa na casa e eu pulso
no ventre como uma grávida perene, meu Deus,
(todo filho do mundo
é um pouco filho meu!)


Como me amolece o coração
barulho som de grito de infância
no colégio de manhã!
Como é, para o meu frio, lã
uma mãozinha pequenina
dizendo pra mim dos caminhos...,
elazinha dentro da minha,
como o dia carregando a noite e seu luar,
e aquela vozinha sem gastar,
me pedindo com carinho e desamparo:
me leva lá?


Não mimem crianças ao invés de amá-las,
para não adoecê-las
para não encouraçá-las!
Não oprimam crianças na minha frente,
vou interferir, vocês vão se danar,
vou escancarar!

Não usem criança na minha presença,
tomarei o partido delas,
não terão minha parcimônia,
não vou compactuar!
Não cunhem nelas a tirania,
eu vou denunciar!

Sou maternal de universo,
mil crianças caminham comigo!
Sou árvore cuja semente
se chama umbigo.
Ai... toda criança
quando grita mamãe,
respondo: que foi?
(Acho que é comigo!)

Elisa Lucinda livro “A fúria da beleza”. Editora Record -2006

O Casamento...fim da Primeira Temporada....