"" A Poesia quando chega ...""

Minha foto
Vitória, Espirito Santo, Brazil
""Eu vivo em carne viva, por isso procuro tanto dar pele grossa a meus personagens. Só que não agüento e faço-os chorar à toa.(...) Ser cotidiano é um vício. O que é que eu sou? sou um pensamento. Tenho em mim o sopro? tenho? mas quem é esse que tem? quem é que fala por mim? tenho um corpo e um espírito? eu sou um eu? "É exatamente isto, você é um eu", responde-me o mundo terrivelmente. E fico horrorizado"". ("Um Sopro de Vida" , Clarisce Lispector)

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Peroás e Caramurus abre Festival Nacional de Teatro "Cidade Vitória"


Peroás e Caramurus abre Festival Nacional de Teatro "Cidade Vitória". Dia 13/10, as 12h. Na Praça Costa Pereira. Prestigiem o Teatro Capixaba!

Peroás e Caramurus!!!!



O espetáculo de Rua ''PEROÁS E CARAMURUS: Uma Saga da Ilha"" é autoria dos dramaturgos capixabas Saulo Ribeiro e Nieve Mattos.


"" Na Saga do processo de criação cênica, entramos no mar da ludicidade.Decodificamos a história real, amplificamos as ações dos atores, pensamos música enquanto partitura corporal, figurino como expansão do corpo.
Jogamos nossa rede(...) pescamos o realismo fantástico e a estética barroca, a polifonia das vozes e dos instrumentos não-convencionais, a resignificação do espaço e dos objetos de cena, o dramático e o distanciamento atoral.""

"É preto São Benidito
É verde o Caramuru
Azul é o Peroá:
A fé tem a cor da voz que louvar"
(composição Edvan freitas)


Ficha Técnica
Texto : Saulo Ribeiro e Nieve Matos
Direção: Nieve Matos

Elenco: cleverso guerrera, Fabricia dias, Luiza Vitorio
Nicolas Corres lopes, Vanessa Biffon, Roberta Portela, Max Goldner, Josué Fernandes

Figurino: Antonio Apolinário
Trilha sonora: Edvan freitas

Preparação corporal: Cleverson guerrera

Relato de Marilda Maracci


Peroás e Caramurus - Uma saga da Ilha. Apresentação no calçadão da rua Sete.

Sei que elogios de amigos são suspeitos, mas eu não escreveria nada ou apenas “parabéns pelo espetáculo” se não tivesse gostado muito. Falo como público comum que não tem a dimensão técnica do barato teatral. Como geógrafa que sou, faço meu comentário como um perfil topográfico, num mapeamento por varredura, identificando os picos do relevo (rs!). A peça prende, envolve, descontrai, emociona, entra... e dá pra assistir de qualquer ângulo (rsrsrs!)... Inteligência sem prescindir do inteligível, uma certa sutileza crítica ou um subtexto da peça que se percebe particularmente na interpretação dos atores, em especial nas caras e bocas...rsrs!

Tema territorial (digo território como mais que superfície, como biodiversidade + cultura), o público se reconhece, abordando um conflito que permite a trans-espaço-temporalidade (a colonialidade, inclusive local, e a resistência também local pelo recorte do conflito ritual-religioso, numa “contação” de uma história que atualiza questões atuais (rs!) como a dominação e a intolerância e, no mesmo tempo e lugar desvela estratégias como a aparente conciliação entre as irmandades como forma de resistência identitária (bem, essa é minha interpretação dessa história). Como os povos no chamado Brasil souberam e sabem fazer isso!!! Nisso a música entra com força junto com a batida dos pés na afirmação de que “São Benedito é preto” (momento emocionante esse, de ‘agüinha’ nos olhos e tudo!!! e por todas essas coisas mesmo! Salve Edvan!). Eu “ainda diria mais, mas a canção tem que acabar...” rs!!! Parabéns pelo espetáculo, Nieve, Saulinho, Edvan e atores!!!... e eu, público, agradeço!

(Marilda é doutora em Geografia pela Universidade Federal Fluminense )

Um comentário: